18/10/2021

Beneficiando o investidor, taxa do Tesouro Direto cairá para 0,2% em janeiro


 

Com o objetivo de fazer do Tesouro Direto um produto mais acessível, democrático, competitivo e seguro para o investidor, a B3, bolsa do Brasil e o Tesouro Nacional comunicaram que a partir de janeiro de 2022, a taxa de custódia do Tesouro Direto passará de 0,25% para 0,20% a.a. 

A informação foi dada pelo secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, no encerramento da Semana do Investidor, realizada pela B3 em parceria com a CVM. 

De acordo com o secretário, o custo baixo é um aspecto muito importante para o novo perfil da pessoa física que investe no Tesouro Direto, um perfil mais jovem com ticket de entrada menor. 

Não é de agora que a B3 e o Tesouro Nacional monitoram as oportunidades de reduções estruturais na taxa de custódia, visto que, em agosto de 2020, a taxa de custódia para investimentos no Tesouro Selic, até o estoque de R$ 10 mil, foi reduzida de 0,25% para 0% ao ano. 

“A parceria da B3 com a STN é antiga e rende frutos para os investidores há bastante tempo. Desenvolvemos juntos o Tesouro Direto, e essa redução da taxa de custódia, além de outras medidas, é mais um sinal do nosso compromisso com o crescimento e democratização do mercado de capitais.”, finaliza Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Clientes e Pessoa Física da B3. 

A redução entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2022 e é válida para todos os produtos do Tesouro Nacional, lembrando que a isenção dos primeiros R$ 10 mil investidos no Tesouro Selic será mantida. Negociados de forma 100% online e com investimento mínimo de R$ 30,00, eles possuem ampla gama de tipos de rentabilidade, podendo ser prefixados, ligados à variação da inflação ou à taxa Selic. Para saber mais informações, acesse o site do tesouro direto: https://www.tesourodireto.com.br/.